sexta-feira, 12 de junho de 2015

Remoção da "rede monstro"

Removal of "monster net"


       A revista National Geographic publicou uma matéria no dia 8 de Junho sobre a remoção de um emaranhado de petrechos de pesca pesando aproximadamente 11,5 toneladas encontrado no Oceano Pacífico no Havaí e foi batizado de "rede monstro". A enorme rede já havia sido avistada em 2013 pela NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica) e outras agências, mas somente em 2014 foi finalmente localizada e removida.


       The National Geographic magazine published an article on June, 8 about a removal of a tangled of fishing gear weighing about 11.5 tons, found in Pacific Ocean in Hawaii, that was named "monster net". The huge net had already been sighted in 2013 by NOAA (Oceanic and Atmospheric Administration) and other agencies, but only in 2014 was finally located and removed.



       O problema dessa longa permanência no oceano é a devastação dos bancos de corais e os animais que foram mortos ou feridos por essa armadilha. A NOAA afirma que as ilhas havaianas abrigam mais de 7.000 espécies marinhas, incluindo 14 milhões de aves marinhas e tartarugas verdes. Um quarto dessas espécies são endêmicas, incluindo a foca-monge.


       The problem of this long permanence in the ocean is the destruction of coral reefs and the animals that have been killed or injured by this trap. NOAA says the Hawaiian Islands are home to over 7,000 marine species, including 14 million seabirds and green turtles. A quarter of these species are endemic, including the monk seal.



   Foca-monge enredada em rede de pesca/ Monk seal entangled in a net fishing

      
      Em 2013, cerca de 10 dias depois da aparição da rede, pesquisadores a encontraram novamente, e já havia enredado e matado três tubarões de recife. Os pesquisadores não tinham os recursos para removê-la naquele momento, então a marcaram com um rastreador GPS para que pudesse ser encontrada novamente. Algumas semanas depois, quando um swell chegou ao norte, o GPS parou de transmitir sinais.



       In 2013, about 10 days after the appearance of the net, researchers found again, and had already entangled and killed three reef sharks. The researchers didn't have the resources to remove it at the time, so they marked with a GPS tracker so it could be found again. A few weeks later, when a swell arrived in north, the GPS stopped transmitting signals.

       Foi quando em setembro de 2014 a equipe do NOAA saiu em uma missão de 33 dias no mar para remover o lixo marinho, sem esperanças de encontrar a "rede monstro". No 4° dia de prospecção, a muitas milhas da costa, avistaram uma ilha de coisas no meio do oceano com diversas aves marinhas rodeando. Não houve dúvidas: era a rede monstro. Além da rede, encontraram diversos outros materiais como 465 redes de pesca, 1.469 tampas de garrafa, 7.436 fragmentos plásticos, e muitas outras coisas. O material foi removido do oceano, sendo rebocado por 3 dias, separado e caracterizado.


       It was when September 2014 the NOAA team went on a 33-day mission at sea to remove marine debris without hopes of finding the "monster net". On the 4th day of prospecting, many miles from shore, they saw an island of things in the middle of the ocean with several seabirds circling. There wasn't doubt: it was the monster net. Besides the net, they find many other materials like 465 net fishing, 1,469 bottle caps, 7,436 plastic fragments, and many other things. The material was removed from the ocean, being towed for 3 days, separated and characterized.



       "100 toneladas de petrechos de pesca abandonados gera energia suficiente para abastecer 43 casas no Havaí por um ano", diz Grace Chon do Programa Lixo Marinho da NOAA.

        “100 tons of derelict fishing gear creates enough electricity to power 43 homes in Hawaii for one year,” says Grace Chon of NOAA’s Marine Debris Program.

Saiba mais/ Furthermore: http://news.nationalgeographic.com/2015/06/150608-ocean-trash-hawaii-endangered-species-marine-science-fishing/ 

Produção: Acadêmica em Biologia Marinha Luiza Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário